terça-feira, 23 de agosto de 2016

As minhas férias e uma novidade

Estive 3 semanas de férias, que terminaram ontem de manhã. Não estive ausente do mundo, mas quase. Não li grande coisa, nem livros, nem revistas, nem blogues. Também vi pouca televisão. Gostava de percorrer as imagens do Instagram mas não o fazia diariamente. Facebook nem pensar, cada vez gosto menos.
A primeira semana foi passada no calor tórrido de Monte Gordo. Quase não pus os pés no caldinho de água que não nos abandonou. Já fui de mergulhos e não regressar à toalha de cabelo seco. Mas agora ligo pouco. Também já fui de me esticar ao sol à espera que os raios me preenchessem todo o corpo, já de si moreno. Mas agora mal saio da minha toalha e debaixo do guarda-sol.
A segunda e terceira semana foram passadas por aqui (entenda-se Porto e arredores). Praia (mais fria mas suportável); visitas a museus; algumas fotografias para salvar o 2º verão da nossa menina.
Este tempo de pausa (adoro esta expressão e tinha de a usar. Li-a vezes sem conta nos blogues onde entretanto já actualizei a leitura), não foi uma ideia minha. Vou reformular. Este tempo de pausa foi quase uma imposição.
 
A novidade (entrem os tambores, estenda-se a passadeira vermelha) é que estou grávida de 15 semanas (faz hoje) e, nestas últimas semanas, tive: descolamento de placenta; exames ao sangue que detectaram problemas de tiróide; marido a ter de tratar de tudo, e pegar em tudo, e suportar tudo; arranjar uma empregada; empresa para passar a ferro; uff. Agora está tudo bem. Quer dizer, mais ou menos. A placenta começou a colar mas a tiróide talvez esteja aqui para durar. Veremos nos exames e consultas e que avizinham.
Tirando os dias menos bons, mantenho a cabeça erguida.
Não foram umas férias de sonho. Mas também não foram más de todo. Vi a minha filha crescer, começar a comer tudo o que comemos, devorar arroz e pão. Entrar no mar sem medo. Fazer bolos de areia pela primeira vez.
Nem todos os dias são perfeitos. Vocês sabem bem que não. Mas depois há aquela mão pequenina a agarrar a minha e há aquela voz doce de menina que aponta para a minha barriga e diz “bébé” e dá beijinhos. E isto é tudo.


quinta-feira, 14 de julho de 2016

a importância da auto-estima. da nossa auto-estima.


 
 
 
au·to·-es·ti·ma
(auto- + estima)
substantivo feminino
Apreço ou valorização que uma pessoa confere a si própria, permitindo-lhe ter confiança nos próprios actos e pensamentos.

"auto-estima", in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2013, https://www.priberam.pt/DLPO/auto-estima [consultado em 14-07-2016].


 
Temos pouca, às vezes parece que nenhuma. Somos sempre as piores mulheres, as piores mães, as piores filhas. Passamos a vida em queixumes e lamentos daquilo que não somos nem conseguimos ser. Queremos ser sempre melhores, nunca satisfeitas com os resultados. E mesmo quando os resultados até são positivos, achamos que poderíamos ter feito mais. Esquecemos muitas vezes o que fazemos bem e damos apenas importância ao que fazemos mal.
Sei que não somos todos assim, graças a Deus. Mas eu sou. Optimista por natureza mas com pouca confiança.
Foi durante uma conversa à mesa, onde revelava mais uma vez ao meu marido o meu descontentamento em mim mesma, que dei por mim a pensar na inutilidade do queixume. Foi durante esta conversa, onde desabafava e colocava em cima da mesa todos os meus medos e angústias, que deu por mim a pensar que queixar não me iria levar a lado nenhum. Precisava de agir. Mas antes precisava de parar e pensar. Organizar umas ideias, umas metas. Definir prioridades.
 
Considero que o mais importante é assumir. Assumir onde somos fracos. Assumir coisas que não gostamos de fazer. A partir daqui já não nos sentimos tão mal. Não há necessidade, nem dá resultado, querermos ser uma pessoa diferente só porque sim. Só porque a amiga é. Só porque a mãe é. À que assumir as nossas falhas e os nossos medos.
E para estarmos bem com os outros, temos de estar bem connosco. E para educarmos uma criança com auto-estima, temos primeiro que trabalhar a nossa.
Foi a pensar no meu marido e na minha filha que decidi começar a pensar mais neste tema. É um caminho que quero percorrer, sem pressas.
 
Por enquanto não passam de palavras, soltas, debitadas num post de um blog que alimento. Mas a seu tempo será mais do que isso. Assim espero!

 

segunda-feira, 11 de julho de 2016

"Amor a Portugal"

Porque é a nossa pátria. Porque é a nossa língua. Porque é o nosso cantinho. Porque é o nosso país que hoje é falamos em todo o mundo. Porque sim, merecemos. E ficou provado que com força, dedicação, fé e esperança tudo se consegue.


https://youtu.be/C_J1OGOPgMw


sexta-feira, 1 de julho de 2016

contar os dias

Penso e sonho no dia em que os nossos pés pisem, finalmente, a casa nova.
O dia em que a sala, virada para o sol que nos aquecerá os dias, aqueça os passos em forma de dança enquanto, no gira-discos, passa Marisa Monte. O dia que em que o jardim ganhará flores, árvores de fruto, vasos com ervas aromáticas, risos das crianças a correr em pés descalços. O dia em que a nossa vida fique iluminada e ofuscada com o branco imaculado daquelas paredes, recheadas de fotografias contadoras de histórias e viagens.
Não há ainda dia para a mudança. Muita coisa está por fazer, por concluir, por modificar, por tentar melhorar. É uma causa lenta, com alguns dissabores.
Talvez um dia, quando estivermos juntos naquele alpendre, a olhar para o sol, o jardim, as árvores, as crianças, os pés descalços, chegaremos à conclusão que valeu a pena esta espera e esta preocupação constante que se instalou na nossa vida há mais de 2 anos.



segunda-feira, 27 de junho de 2016

desabafos

Julgo que já aqui o disse, mas sou péssima na cozinha. E mais péssima me sinto quando olho para aquele pequeno ser que tenho lá em casa, a crescer, a precisar de boa alimentação e eu cheia de medo de errar na hora de ir para a cozinha preparar alguma coisa para ela.
A sopa faço bem, muito bem até. Ela adora. Mas depois o resto é ver-me meter os pés pelas mãos. Vale a ajuda da mãe e sogra que mandam sempre alguma coisinha que sobrou.
Por isso, quando lia hoje o Observador, fiquei imensamente feliz pela descoberta de um blogue com receitas para bebés. O que eu já tinha pensado nisto, num sítio onde alguém colocasse receitas saudáveis e fáceis. E existe. E vai ajudar-me tanto. E estou ansiosa para as fazer na Bimby.
 
 
 
Notas:
* Não, a Sofia nunca comeu batatas fritas. Aliás, é alergica à batata. Alergia que tenho muita esperança que passe.
* Está com 16 meses.

segunda-feira, 13 de junho de 2016

Viajar com crianças – como foi?

Regressamos das nossas mini-férias. 3 dias na Alemanha que parecem sempre mais do que na verdade são. Tenho muito para partilhar. Coisas que gostava de ter lido nalgum sítio antes de viajar com bebés. Mas isso não significa que tenhamos de saber tudo antes de viajar. Aí reside o bom da aventura: não saber o que contar e a experiência nos enriquecer ainda mais, como seres humanos e como pais normais que somos.
 
Comecemos pelo inicio: o avião.
 
Fizemos a viagem pela Ryanair e não colocaram qualquer entrave à alimentação para bebé. Conforme tinha referido, levei apenas o essencial para os 3 dias: 4 iogurtes, 3 papas de fruta, papa da Nutriben (a embalagem cheia e por abrir), utensílio com leite em pó com 3 compartimentos, água e 4 caixinhas com sopa, que fiz em casa, cada uma com 210 ml. Pediram para retirar toda a comida para um cesto e fizeram um levantamento de tudo, apenas por uma questão de controlo. A viagem durou 2h20 e a Sofia dormiu cerca de 1h20. Na hora que sobrou ficou a brincar, nada aborrecida e sempre ao meu colo, presa por um cinto que se liga ao meu, muito fácil de colocar. Os brinquedos e o livro que comprei nem saíram da mochila.
A ligação do aeroporto ao centro da cidade é feita de comboio, que se apanha no aeroporto. Dura apenas 15 minutos e custa 2.80 eur por pessoa. A estação fica mesmo no centro, junto à Catedral e o nosso hotel também!
 
Foram 3 dias de muito passeio, muitos quilómetros nos pés e a alma cheia e revigorada. Visitamos a Catedral de Colónia, o Museu Ludwig, e todas as lojas do centro. Ainda fomos a Aix-La-Chappell ver o trono do Carlos Magno. 1 hora de comboio muito agradável.
 
No regresso, voltaram a não colocar qualquer entrave na alimentação. O carrinho dela é levado até às escadas do avião e depois colocado no porão. Quando chegamos ao Porto, estava cá fora à nossa espera.
 
Viajar com crianças não tem de ser assustador. Temos de deixar de lado os horários rígidos de alimentação bem como as horas de dormir ou acordar. Eu sou uma fiel seguidora dos horários, mas em viajem nunca coloco isso como prioridade. Deixarmo-nos levar pela aventura e o desconhecido é o melhor que podemos fazer, nos poucos dias que temos no ano para isso.
 






 

 

terça-feira, 7 de junho de 2016

Viajar com crianças - outras dicas

Lembrei-me de mais algumas coisas que gostaria de partilhar com vocês, na minha qualidade de mãe que nunca viajou com a filha de avião.
 
  • Deixem tudo preparado de véspera. Não façam as malas de manhã, pois a manhã deve ser dedicada ao pequeno-almoço, ao banho e à saída para o aeroporto.
  • Verifiquem toda a documentação antes de sair de casa.
  • Sair de casa com antecedência, evita nervosismos e atrasos desnecessários. Chegar ao aeroporto com calma, ter tempo para tomar um café, dar-lhe a fruta e mudar-lhe a fralda. As casas de banho do avião estão preparadas com fraldário, mas é tão pequenina.
  • Não stressar antes do voo, nem pensar se ela vai gostar ou não. Vai gostar de certeza, se nós estivermos bem e descansados.
  • Esperar que a curiosidade de uma situação nova se apodere dela naturalmente, sem muitas expectativas.
 
E desfrutem. Desfrutem de cada momento, de cada fotografia que vão tirar para mais tarde recordar, de cada sorriso que irão ver no rosto pequenino dos vossos filhos.
Viajar em família é isso mesmo. É viver de forma um bocadinho mais descontraída dos restos dos dias.

segunda-feira, 6 de junho de 2016

Viajar com crianças - o que vamos visitar

Colónia: como chegar
 
O aeroporto de Colónia (Aeroporto de Bona) fica a 17 km de Colónia.
A estação do aeroporto, situada entre os terminais 1 e 2, é servida pelos comboios S13 e Te8 na linha expresso Frankfurt-Colónia.
A viagem de 15 minutos até ao centro de Colónia custa 2.80 eur/pessoa e é necessário comprar bilhetes antes de embarcar.
A estação principal de Colónia é Köln Hauptbahnhof, situada ao lado da catedral no centro da cidade.
 
Quando chegarmos ao centro da cidade, e depois de deixar tudo no hotel, o ideal é dirigirmo-nos ao Centro de Informações Turísticas na Kardinal-Höffner-Platz 1 (ao lado da Catedral), para recolhermos mapas e dicas.
 
Colónia: como explorar
 
O bairro onde vamos ficar chama-se Altstadt-Nord, mesmo no centro da cidade. Tem lojas de grandes marcas, arquitectura colorida e bares invulgares. Tem o ultramoderno edifício Weltstadthaus na Rua Schildergasse.
Nesta área pretendemos visitar:
 
  • Museu Ludwig: cobre a totalidade da arte do século XX, do abstracto ao surrealismo e à arte pop. Podemos contemplar a obra de Picasso “La Femme à L’Artichaut” (Mulher com Alcachofra) de 1941, o “M-Maybe” e Lichtenstein e os Dois Elvis de Warhold.
  • Teatro Filarmónico de Colónia : este teatro é famoso pela sua acústica comovente. Uma das principais características de concepção do edifício é que as paredes não são paralelas, o que provoca uma reverberação musical consistente, independentemente de a sala estar cheia ou não. Geralmente há concertos diariamente - de musicais populares a orquestras de 90 elementos.
  • Catedral de Colónia : eis a maior igreja gótica da Europa! A construção começou em meados do século XIII e durou quase 500 anos. Hoje, este edifício gigantesco com pináculos de arranha-céus é um verdadeiro ícone de Colónia. Contém o magnífico "Santuário dos Três Reis", que se diz encerrar as ossadas dos Reis Magos bíblicos.
  • Museu Wallraf Richartz: este edifício brutalista pode ter design funcional, mas contém um tesouro de pinturas notáveis que abarcam três períodos artísticos importantes: arte gótica, renascentista e impressionista num espaço resplandecente, banhado de luz. Uma das suas peças mais famosas é a "Ponte de Langlois em Arles" de Van Gogh, uma das vívidas aguarelas do artista.
  • Ponte Hohenzollern: ondulante ponte pedonal enclausurada em aço e um dos locais mais românticos de Colónia. Tem vista para o Rio Reno a fluir da Renânia até ao distante Mar do Norte que captura a imaginação.
  • Torre de Colónia: esta intensa torre de escritórios é a prima moderna da Catedral de Colónia. Faz um grande contraste com os edifícios históricos que a rodeiam, a erguer-se 44 pisos acima da cidade. A sua edificação distintamente moderna foi concebida pelo mestre arquitecto Jean Nouvel, mas a principal razão para a visitar é o Osman 30 Köln: este restaurante no 30.º andar tem uma vista arrebatadora sobre toda a cidade.
  • Buchhandlung Walther König: é o céu na terra para quem aprecia livros sobre fotografia, artes gráficas ou arquitectura. Contém uma selecção especializada e incrivelmente extensa.

sexta-feira, 3 de junho de 2016

Viajar com crianças – o que levar

Tudo começa com uma lista do que achamos que precisamos para os 3 dias. A lista, no meu caso, foi sendo reduzida quando achei que não era mesmo necessário tanta coisa. Basicamente, para nós, não é necessário nada de especial. Agora que temos um bebé, concentramos as necessidades no que ela precisa.
Comecemos.
 
Para nós:
 
- 1 mochila às costas com: bolsa com todos os documentos; biberão de água para a Sofia; 3 ou 4 fraldas; toalhitas; mudador de fraldas descartável; fralda de pano que ela usa para dormir; chupeta; máquina fotográfica; caderno e caneta; batom de cieiro; uma muda de roupa para a Sofia caso ela se suje. Esta mochila, com estas coisas, também vai servir para andar em passeio pela cidade.
- 2 malas de mão com as seguintes coisas distribuídas: bolsa com alguns medicamentos e cremes para o sol e quedas (não considero importante levar o necessaire atrás porque os hotéis têm sempre champô e gel de banho. Há que descomplicar na hora de abrir a bolsa no aeroporto. Para a Sofia levo umas amostras de shampô e é mais que suficiente). O biberão do leite; roupa para os 3; chapéu de sol para ela; chinelos; pijamas; carregador de telemóvel (apenas 1, uma vez que os nossos telemóveis são iguais); carregador da máquina fotográfica.
- comida para ela: embalagem de papa da Nutribén; boiões de fruta; boiões de comida; leite em pó da Aptamil; bolachas Maria em pacotes de 4 (vou fazer a conta para os 3 dias que vamos lá estar). Talheres. 2 babetes.

Para a Sofia:
- li em vários sítios que devemos levar um brinquedo novo para, num momento de aborrecimento ou choro no avião, conseguirmos obter o factor surpresa. Comprei-lhe 2 livros de autocolantes (é a sua nova paixão) e uns bonecos da Lego. Também levo os lápis de cera e um caderno. E o Nenuco preferido dela que adormece todos os dias ao seu lado.
- chupeta que anda sempre com ela.
 
Depois levamos o carrinho para o passeio. Um daqueles baratinhos, práticos e leves que compramos no Continente.
 
Espero não me ter esquecido de nada. Julgo que não. J
Se tiverem outras dicas a acrescentar, digam. Nunca é demais saber.
 
O próximo post vai ser sobre dicas de como andar na cidade com um bebé. Aproveito e falarei especificamente do sítio que vamos visitar: Colónia.

quinta-feira, 2 de junho de 2016

Viajar com crianças – o início

Pela primeira vez, iremos fazer uma viagem de avião os 3. Sim. Eu, o marido e a pequenina de 15 meses. Numa tentativa de me organizar, apesar de ter tudo escrito no meu caderno, e também de vos esclarecer/ajudar sobre como viajar com bebés, iniciarei hoje uma série de textos sobre o tema. Obviamente que a minha experiência nisto é zero. Mas considero que escrever ajuda a clarificar e ordenar todas as ideias/dicas que vou lendo ou aquelas coisas que a minha sensibilidade de mãe me diz. Será uma viagem low-cost, de apenas 3 dias. Um fim-de-semana que nos vai fazer a todos muito bem. Em que iremos colocar à prova o nosso lado mais aventureiro, mais prático e mais simples.
Assim espero que seja e assim espero que consiga.
 
No próximo post irei focar-me na lista do que levar (do que realmente é preciso levar).
 
 
imagem via pinterest